Domingo, 26 de Setembro de 2021
29°

Poucas nuvens

Amarante - PI

Brasil Caminhoneiro

Com auxílio do Itamaraty, Polícia Federal encontra Zé Trovão foragido no México

O caminhoneiro teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF. Ele é acusado de incitar atos violentos no país.

09/09/2021 às 13h25
Por: Diogo Costa Fonte: Metrópoles
Compartilhe:
Reprodução
Reprodução

O caminhoneiro bolsonarista Zé Trovão, que estava foragido, foi encontrado pela Polícia Federal (PF) nesta quinta-feira (9/9), no México. De acordo com fontes ouvidas pela reportagem, a corporação contou com a ajuda do Itamaraty para localizá-lo.

Zé Trovão teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na semana passada, no inquérito que investiga atos antidemocráticos. Ele, contudo, fugiu para continuar liderando movimentos a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no 7 de Setembro.

De acordo com fontes da PF e do Itamaraty, ele buscava asilo no país que faz fronteira com os Estados Unidos.

A embaixada brasileira no México verificou os dados consulares e constatou o ingresso de Zé Trovão no país. O órgão, então, entrou em contato com o ministro das Relações Exteriores, Carlos França.

Depois, a embaixada comunicou à PF e um diplomata ligou no hotel para avisar a Zé Trovão que ele seria preso.

Em diversos vídeos, o caminhoneiro defendeu o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo. Ele também convocou a categoria para uma paralisação geral no país.

“O pau vai continuar torando”, diz Zé Trovão

O caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, disse nesta quinta-feira (9/9) que não sabe o que vai acontecer, mas que o “pau vai continuar torando”. Ele reafirmou que o objetivo é a destituição dos ministros do STF, o que é ilegal.

“A nossa pauta é impeachment dos ministros. Se vira. Não sei o que vai ter que acontecer, mas o pau vai continuar torando”, afirmou em um novo vídeo gravado.

Zé Trovão pediu para que caminhoneiros que aderiram à paralisação não “arredem o pé” e reclamou da ação policial.

O caminhoneiro também disse que o movimento não defende o presidente, mas logo em seguida, cometeu um ato falho e afirmou que os caminhoneiros foram às ruas por esse motivo.

“Ninguém foi às ruas para defender o presidente Bolsonaro, fomos para defender nossa bandeira verde e amarela. Fomos às ruas defender nosso presiden… Nossa bandeira. Nosso presidente, a gente respeita, mas presta atenção: ‘não vamos cumprir ordem que não seja do presidente da República’”.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Guilherme Amado (@guilhermeamado)

Ele1 - Criar site de notícias